Ordinary John, o projeto que mistura pop com elementos eletrônicos dos anos 80

Após quatro lançamentos em inglês, seu quinto single aponta para um novo caminho artístico.

Nascido em 2019, Ordinary John é o projeto solo de João Figueirôa, jovem recifense promissor na cena de música nacional que carrega a seriedade da elaboração do som misturando acústico sofisticado, sonoridade do bedroom pop e elementos eletrônicos dos anos 80. O músico participa de todos os estágios da produção de suas faixas, desde a composição, gravação até a mixagem e masterização. Suas músicas trazem letras que falam sobre solidão, amizade, amor e um pouco de deslocamento social.

Após quatro lançamentos em inglês, Ordinary John entra em um novo caminho lançando seu novo single em português, adicionando influência do Dream Pop* ao Bedroom Pop. A faixa conta com elementos eletrônicos e vocais intimistas. “A música fala de como a solidão pode nos fazer tomar decisões questionáveis e acabar fazendo com que a gente se submeta a coisas que não nos fazem bem. Especificamente narra o ponto de vista de alguém que se põe como um prêmio de consolação para outra pessoa em troca de se sentir amado por ela, apenas por uma noite que seja’’, comenta. O single intitulado “Por essa noite” já está disponível nas plataformas digitais.

View this post on Instagram

Música nova. "Por Essa Noite".

A post shared by ordinary john (@joaofigueiroa) on

Convidamos João para bater um papo e comentar sobre sua trajetória, sua música e seu novo trabalho, se liga:

Como começou a descoberta do som em sua vida?
Na minha família nunca teve músico ou algo do gênero, mas nas reuniões sempre rolou muita música de background, mas não posso dizer que foi influência deles. Aos 14 anos comecei querer saber como funcionava as coisas que escutava na época a saber o por quê elas tocavam aquilo daquela forma e como era gravada. Sempre gostei de saber como tudo era feito até chegar naquela música. Me dediquei a aprender instrumentos e foi descobrindo como tocava baixo, violão, teclado, guitarra. Tudo por curiosidade.

Suas canções tem um apelo eletrônico em um pop sofisticado, como foi criar dentro deste formato? De onde surgiu a inspiração?
Essa mistura surgiu bem naturalmente, elementos eletrônicos de sintetizadores ali dos anos 80 com som tocado em bateria, baixo… São instrumentos e estéticas que eu tinha na cabeça que decidi criar o projeto assim, com bastante influências de coisas que estou ouvindo muito, que é o lance do bedroom pop. Eu gosto de música pop, acho que a possibilidade dentro do pop é muito grande, você consegue fazer qualquer coisa se não tiver medo de fazer.

Quando começou a florescer seu lado compositor?
Aos 15 anos eu já estava compondo minhas canções. Surgiu também de uma curiosidade, mas posso dizer que mais de uma necessidade. Sempre achei mais fácil me expressar usando música, dizer o que queria, sinto que consigo me comunicar pela música. Então, chegou uma hora que eu queria externar exatamente o que estava rolando dentro da minha cabeça, na minha vida, uma necessidade de comunicação mesmo.

Você se mostra muito consciente da seriedade que implica a elaboração de uma obra, como foi pra você produzir sua primeira música?
O projeto surge com minha primeira música em 2019. Naquela época estava sem compor, me dedicando somente a mixagem e gravar música para outras pessoas, um lance que eu trabalho também. E como muitas coisas nessas vidas, o projeto surgiu com um “pé-na-bunda” que eu tomei. Fiquei mal e resolvi ocupar minha mente e tempo voltando a escrever. A primeira música não tem nada a ver com a situação, foi mais uma válvula de escape e que deu certo.

Por que escolheu iniciar seus trabalhos cantando suas músicas em inglês?
Também foi bem “natural”. Sempre escutei muita música internacional e sempre me pareceu mais fácil me expressar assim, por mais triste que pareça me expressar em outro idioma que não é o meu. A ideia de escrever em inglês surgiu com esse projeto, mas escrever em português nunca foi um problema.

E seu novo lançamento é em português, certo?
Sim, rolou de escrever em português, que surgiu de uma forma curiosa através de Lucas Silveira, da banda Fresno. Ele tava fazendo transmissão na twitch ouvindo música da galera e acabei mandando a minha. Na hora me arrependi e imediatamente sai da frente do computador. Passei dias pensando que ele não iria gostar da minha música e posteriormente ele ouviu. Ele é uma pessoa que admiro muito, um produtor gigante, então a opinião dele era muito importante pra mim e rolou que ele gostou e elogiou e lançou um desafio de fazer em português pra ver o que rolava.

Ordinary John carrega originalidade e criatividade como um projeto elegante e moderno, não somente por João Figueirôa que demonstra ser um artista excepcional e completo. Com certeza ouviremos falar mais desse projeto, então vale a pena escutar e conhecer mais um pouco.

Quer saber mais sobre o artista?

Links:
Instagram: @joaofigueiroa/
Spotify:https://open.spotify.com/artist/20EN0UW7SfGyB82OPH69ZR?si=GhDnrcUVS0ODCIHOWSgddQ
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCmSq2P3euw31Ocz5NPq45dw
Twitter: https://twitter.com/theordinaryjohn

Foto: Fernanda Leal

*Dream Pop – É um gênero musical do rock alternativo e neo-psicodelia que se desenvolveu durante a década de 1980. O gênero aborda uma preocupação com as atmosferas sonoras e texturas ambientais, tanto quanto à melodia doce e romântica.

Compartilhar: